Trilhas sonoras


written by Marco Sassen on January 17, 2016

Filmes e música são parceiros de longa data, assim como música e filmes são parceiros de longa data. Antes mesmo do cinema possuir diálogos, Charlie Chaplin e sua turma já tocavam aquele bolero supimpa pra galera.

 

Quem era corajoso suficiente pra ficar na piscina enquanto o primo mala colocava o tema de TUBARÃO pra tocar ? Teria o assassino de Hitchcock ímpeto suficiente para esfaquear a mocinha, não fossem aqueles barulhinhos agudos, feitos especialmente pra esfaquear mocinhas ? Ou ainda, seria INDIANA JONES tamanho herói em nossas lembranças não fossem suas aventuras sempre generosamente banhadas nas notas musicais da sua eterna música tema ?

 

A coluna de hoje vai pegar um gancho no globo de Ouro e Oscar para falar um pouco de música e trilhas sonoras.

 

Primeiro, vale tirar uma dúvida que muita gente não sabe: a trilha sonora de cada filme, na verdade, é formada por sua SOUND SCORE (geralmente instrumental e especialmente criada por seu compositor) e sua SOUND TRACK (uma escolha de músicas e artistas que podem, ou não, tocar no filme).

 

As duas coisas são bem diferentes. SOUND SCORES são feitas por compositores, orquestras e arranjos. São cuidadosamente e exclusivamente elaboradas para dar aquele clima para aquela cena do filme. Alguns compositores especializam-se neste nicho. Procure aí por Hans Zimmer, James Newton Howard e Ennio Morricone, 3 ícones das trilhas cinematográficas. Falando no último, vai escutando esta bela canção enquanto termina de ler este textinho.

 

 

SOUND TRACKS podem ser músicas já compostas ou não, artistas de renome ou não. Elas ambientam o filme em determinado tempo e espaço. Alguns exemplos são ALMOST FAMOUS de Cameron Crowe e sua trilha setentista; ALTA FIDELIDADE e sua trilha oitentista; SINGLES, também de Cameron Crowe, e sua trilha noventista com várias bandas ícones do movimento grunge; o mais novo filme dos Cohen Brothers, INSIDE LLEWYN DAVIS, que te leva para 1961, nos primórdios do cenário folk, onde em um escuro e enfumaçado bar Bob Dylan faz uma de suas primeiras apresentações.

 

 

E tem trilha sonora que é simplesmente uma m#$% e só quer te fazer chorar (Titanic ???).

 

Quem masterizou as trilhas sonoras de seus filmes foi o próprio Tarantino, com suas cenas onde a experiência auditiva é tão importante quanto a visual. Quem não lembra de ‘Stuck in the middle with you’ tocando enquanto um psicopata cortava fora a orelha de um policial antes de matá-lo ?

 

 

Ou ainda John Travolta e Uma Thurman dançando ao som de uma jukebox…

 

 

… e o ultra violento KILL BILL e sua relação com a ultra suave BANG BANG de Nancy Sinatra?

 

 

Mas o assunto e dicas musicais de hoje são SOUND SCORES.

 

A minha primeira memória musical de um filme foi CARRUAGENS DE FOGO. Na verdade, nem me lembro muito bem do filme, não sei se tinha a ver com cavalos e carruagens, mas a cena da turma correndo na areia da praia ao som disso aqui, nunca me foi possível esquecer.

 

 

Alguns anos depois, talvez uma das musicas mais belas, num dos filmes mais bacanas (lançou Daniel Day-Lewis para Hollywood), numa das cenas mais épicas que lembro quando adolescente, foi esta aqui. Dê play aí e veja se te lembra.

 

 

Aí veio Blade Runner com uma trilha jazzística, saxofonística e lindíssima. O CD é todo lindo, mas escute esta música aqui ó:

 

 

Muitos anos depois, veio outra ficção cientifica (essa sem efeito especial algum), tornando-se um dos filmes mais under rated dos anos 90: GATTACA (nome dado em referência ao código genético humano) com uma trilha sonora de arrepiar até os pelinhos da sobrancelha.

 

 

Um filme mais recente, também ficção cientifica, também com pouquíssimos efeitos especiais: CODE 46 tem uma trilha instrumental maravilhosa, um pouco mais puxada para o post rock, do craque DAVID HOLMES.

 

 

Aí, mais recentemente, surgiu um diretor até o momento pouco conhecido. O cara se chama Andrew Dominik e, juntamente com Brad Pitt, Casey Affleck, Roger Deakins (diretor de fotografia), me faz um filmasso – The Assassination of Jesse James by the coward Robert Ford. Mas o assunto nem é filme né ? O melhor de tudo é que ele me chama, nada mais nada menos, que a lenda NICK CAVE e seu compositor e parceiro musical de longa data WARREN ELIS para compor um das mais belas, e da alguma forma perturbadoras, trilhas sonoras que eu já escutei.

 

 

Pra finalizar, vou mencionar uma galera mais jovem e moderna, que flerta com alguns beats eletrônicos, remix, etc … O belo tema de Requiem para um Sonho, de Clint Mansell, que trabalhou com o diretor Aronofsky desde seus primeiros filmes.

 

 

SAW se transformou, de um filme low budget com um final super inteligente, em uma sequência terrível e interminável de filmes terríveis e intermináveis. Mas em sua primeira edição, a cena final não seria a mesma sem esta canção:

 

 

Chegando em compositores mais modernos, MATRIX apresentou para o mundo um camaradinha, até então desconhecido, chamado ROB DOUGAN, que compôs a fodástica Clubbed to Death

 

 

Pra terminar, eu proponho um teste: põe pra tocar o tema de STAR WARS 3 vezes …

 

Agora me lembra qual é o tema de SUPER HOMEM !!!

 

O primeiro que acertar ganha um pirulito.

:)

 

Marco


Leave a comment

  • Marco Sassen

    Bacana demais !